domingo, 18 de março de 2012

Para Sempre Meninos


Apesar de muitos falarem que consideram um amigo como um irmão, nós, possuidores reais desse título de fraternidade, sabemos que no fundo não é a mesma coisa. Irmão é irmão. Não está ligado ao fato de "ter que ser o nosso melhor amigo". Ainda que tenham personalidades bem diferentes, que não se suportem e que você prefira manter certa distância, dois indivíduos quando educados exatamente pela(s) mesma(s) pessoa(s) estão unidos de uma tal forma que os fazem imprescindíveis na vida e na personalidade do outro. Esse amálgama ainda que seja ódio é o verdadeiro ‘amor fraterno’. Se for mesmo feito de amor e os irmãos tiverem sido criados na mesma ninhada, juntos e solidários ah... aí é capaz de perfumar fotografias!E foi esse perfume que fez cócegas ainda a pouco em meu coração a ponto de me fazer gargalhar e escrever.



Abri um álbum antigo na estante e transferi-me para aquela dimensão que  frequentamos sempre acompanhados mas que não nos permite levar nada do que temos no presente. Fui atingida por uma rajada de saudades ao ver a minha infância em preto e branco e dediquei-me a refletir sobre algo...e mais uma vez cá estou eu no topo da montanha olhando o horizonte pensando sobre como a minha vida sem os meus irmãos seria muito menos interessante.


Os cabelos podem ficar brancos, as rugas podem ter 'feito residências em nossos rostos', mas se temos pelo menos um irmão, haverá sempre um lugar dentro da gente em que seremos eternamente meninos. Ainda que a relação esteja longe de ser igual a uma planície serena e sim, cheia de altos e baixos esse amor jamais se desloca para uma área de risco – para onde vão sempre os outros tipos de amor. Frases inteiras são desnecessárias, pois o entendimento se dá muitas vezes pela troca de um sorriso que sabe lá - sabemos somente nós - que longínquas lembranças aquela troca de olhares desenterrou. E a despeito dessa tal natureza humana que é tão pérfida e traiçoeira, o amor de irmão nem sequer precisa ser verbalizado e ainda assim permanece evidente. Eles sabem sem sombras, faíscas e nódoas de dúvidas, e ninguém precisa ficar reafirmando nem em emails, nem em redes sociais públicas, nem em telefonemas, nem em blogs!, pois somente as coisas abaláveis precisam dessas evidências.


Certamente, mais pobre, mais amarga, mais só e menos Elika eu seria sem eles, os meus outros takimotos. Como viveria sem todo esse tesouro lapidado pelas horas aromáticas na infância e na adolescência que só nós, os irmãos, os nascidos em tempo hábil da carne de mãe e pai, sabemos onde está enterrado?








15 comentários:

  1. EEEEEEEE!!!
    Adorei!!!
    E só uma irmã pra fazer um comentário pentelho desse: as rugas ainda não chegaram em mim!!!! kkkkkkkkkkk!!!!

    Amo vocês!

    ResponderExcluir
  2. Lendo esse texto, me deparei com um momento que precisava do meu grande amigo e ele não pôde me ajudar. Então quando vc escreveu que não é a mesma coisa quando pensamos no melhor amigo como irmão, eu concordo com vc, pois se fosse minha irmã, mesmo com nossas desavenças, ela estaria ao meu lado com certeza. Bjks!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cláudia

      Há uma diferença que só quem tem irmão sabe. Andei a refletir sobre isso depois que li uma reportagem sobre a importância dos irmãos na vida emocional.

      Cheguei a conclusão que essa ligação nada tem a ver com "amizade". Se forem amigos, que bom, mas se não forem os irmãos são imprescindíveis de qualquer maneira. Devemos a ele a formação da nossa personalidade.

      Adorei a sua visita.

      Bjks

      Excluir
  3. comentário por Claudia Rodrigues, pentagonal, risos!

    ResponderExcluir
  4. Elika,

    Gostei do texto, mas gostei mais de ver as fotos!
    Beijos, Elise.

    ResponderExcluir
  5. Muuuuito legal foto antiga, né?

    Eu perdi quase todas porque deu cupim na casa da mamãe. Ela guardava láááááá no alto para ninguém pegar mesmo. Grande erro.

    Os cupins destruiram quase tudo!

    As fotos que estão no blog foram as pocas que consegui resgatar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eka... saudades... acabei de sair daí e estou morrendo de saudades... ainda mais com este texto... poxa vida.

    Mas olha, vou dizer que nem todos os irmãos são assim não. Nós somos. E eu amo e tenho orgulho de ser assim. Um por todos e todos por um, não importa onde e quando.

    Beijos da Tata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas, então...

      a questão é exatamente essa. As fotos mudaram o meu foco, mas o que eu ia dizer era que independente da amizade, da cumplicidade e coisa e tal, irmão é irmão.

      Jamais será invisível para nossos corações, mesmo que só sirva para maltratá-lo.

      É isso.

      Excluir
  7. E quem não tem irmão, como saber ou entender o que você está falando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é,

      Não tem como vc ser para sempre um menino...

      Excluir
  8. Mais uma de suas proezas, Dona Elika, desenterrar um pedaço do seu tesouro, destampar o perfume...
    Fui rever minhas fotos antigas, com meus irmãos, tendo a nítida sensação de que sou mais dono do tempo do que me permito perceber normalmente. Alguma coisa ali me pertence, viva, mesmo sem eu saber bem o que.
    E ficou danada de poética a sua mistura de palavras e imagens.
    Beleza é isso...
    Parabéns e obrigado, como sempre.
    Andre Nakamura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, fiquei muito tempo tentando arrumar as fotos com o texto. Elas estavam todas no início. Depois todas no final. Depois todas no meio. Depois a última junto com o título... no final ficou assim como está.

      Também gostei da mistura. O milqui cheique ficou gostoso, né?

      Obrigada pelo comentário.

      Excluir
  9. Respostas
    1. Fomos duas!

      Que bom que não chorei sozinha...

      Obrigada por me fazer companhia.

      Excluir